terça-feira, 19 de julho de 2016

Mega Artesanal 2016

Eu fuiiiiiiiii
E como faço todos os anos eu posto aqui no blog minhas impressões sobre a feira e o que vi de bom por lá!
Para quem acompanhou na fanpage, resolvi - diferente dos anos anteriores - dar outro foco ao grande evento que é a Mega Artesanal. Desta vez resolvi focar nos bons encontros mencionando as pessoas que reencontrei, encontrei e falar sobre a grande festa que a feira proporciona que é a confraternização. A oportunidade de encontrar vários artesãos que já conhecemos e vivem distante de nós e aqueles que por diversos motivos conversamos virtualmente e por um ou mais dias encontramos pessoalmente para desfrutar da delícia de dar aquele abraço e aquele "xero"...rs...

Mas vou aproveitar e mencionar as novidades deste ano e o que vi, antes de voltar a este assunto.

Estrutura

A Mega este ano contou com uma nova estrutura. Um novo pavilhão que agora chama-se São Paulo Expo.
O valor oficialmente divulgado na página é de um investimento feito de R$ 300 milhões. O pavilhão possui 50 mil m2 e agora conta também com Centro de Convenções. Ao lado foram construídos prédios para estacionamento com 4,5 mil vagas cobertas.
Do estacionamento há uma passarela que leva ao pavilhão onde também há escadas rolantes para descer até a entrada. Muito bom!
Considerando os anos anteriores de Mega e principalmente o que presenciei nos 2 últimos foi um grande avanço estrutural.

O mais legal é que fizeram novas entradas da Rodovia dos Imigrantes para o local, agora com uma entrada bem facilitada logo antes da ponte, sem ter que dar aquela volta enooorme que fazíamos antes ao ir de carro.

O pavilhão é estruturalmente muito bacana, com uma praça da alimentação mais organizada.

Sobre os banheiros só fui um dia porque presenciei filas enormes, então não posso afirmar sobre como estava nos dias de grande movimento. No dia que eu fui, domingo, estava limpo e organizado com funcionária presente.

O que eu vi

Uma coisa muito interessante que eu notei é que muitos que estavam presente no ano passado, não estavam este ano. Claro, para alguns a bendita "crise" bateu mais forte que para outros. Enquanto uns não puderam participar, outros optaram por diminuir os stands o que é totalmente compreensível. 

Por outro lado surgiram novos participantes que abrilhantaram a feira e foram estratégicos com sua presença.

Um deles foi a empresa de Papelão Horlle, nosso queridinho para cartonagem e encadernação. 
Havia tanto o stand Horlle para lojistas quanto o stand Stratis para venda varejo.
O que para mim foi super positivo foi a oportunidade de nossas(os) colegar artesãs(ãos) conhecerem o Horlle original, já que para alguns não está disponível em sua cidade. Porém, acreditem, conversando com o Diretor Industrial da Horlle descobri que havia na própria feira pessoas vendendo papelão cinza como Horlle, ou seja, utilizando o nome e o prestígio da qualidade Horlle para vender papelão cinza de outras procedências. Na verdade isto muito me entristeceu por dois motivos: 1 - quem tem a oportunidade de trabalhar com o papelão original Horlle sabe de sua qualidade incomparável, o que para nós artesãos tem que ser primordial na confecção de peças para nossos clientes - a garantia de uma peça artesanal de alta qualidade em todos os processos (material + confecção manual + criatividade); 2 - por não ser a primeira vez que vemos ou sabemos de ocorridos como este de pessoas vendendo gato por lebre e enganando as pessoas de nosso ramo, seja no material, nas ferramentas ou peças prontas.
Maaas, enfim, o que importa é que muitos tiveram a oportunidade de conhecer e adquirir para não se enganar mais :-)

Por falar em papelão, algo que eu achei sensacional foi que as lixeiras este ano eram todas de papelão. Ao andar nos corredores havia diversos deles, achei sensacional por ser reciclável né!!!

Havia um número maior de stands menores, porém a diversidade de peças bonitas era grande além de vários expositores internacionais.
Fiquei muito feliz por amigas que expuseram pela primeira vez e foi um sucesso!!!

Também fiquei buscando novidades então acabou que o que encontrei foi uma nova marca de cola que estarei testando (depois conto para vocês), ver com as mãos as novidades Horlle (também conto depois para vocês), claro estive com a Alice no stand da Olfa vendo as ferramentas que ainda não conhecia e uma loja sensacional de papéis a Anna Jankov. Ameeeeei!!!

Eu não compreendi bem a parte de confeitaria, pois pelos anúncios seria uma feira dentro da feira....rs... mas era um mero corredor com stands relacionados então considerando a expectativa x realidade (inclusive para amigas que foram buscando itens sobre o tema) sobrou aquele "?"

No geral quanto aos preços não achei convidativo, tanto que no ano passado comprei muiiiiiito mais. Aliás este ano comprei quase nada!!! 

Organização

Booom, nessa parte hahahauhaua... sempre tem os seus "qs".
Os indicacores de onde ir, por onde entrar, onde comprar ingressos e etc, hehehe, sem comentários.
Na verdade algumas coisas neste sentido não faziam sentido... parafraseando.. mas organizacionamente ainda tem que melhorar.
Claro, mais uma vez fico triste em ver e saber pelos lojistas sobre a falta de sinal e a perda de negócios. Ver novamente as pessoas com as máquinas para o alto buscando sinal para poder fazer suas vendas... não é nada legal. E este ano novamente. Até pessoas subindo em banquinhos para ficar mais alto eu vi. Durante um dos dias eu fiquei completamente sem sinal de celular lá dentro. E quem estava comigo também. Não encontrei com quase ninguém neste dia e o pavilhão estava lotado. Complicado. 
Agora o que realmente não me desceu foram os preços absurdos da praça de alimentação. Sinceramente, isso deve ser revisto urgentemente. Para nem todos é passeio, mas sim trabalho. Fome e sede é necessidade básica, pois ficamos horas a fio lá dentro. 

O que foi sensacional!!!

Os bons encontros. Amo demaaaaaaaaaaaais.
Gente linda, pessoas amigas, queridas e sensacionais.

Esse ano, como disse, eu foquei nas pessoas, nos profissionais que assim como eu fazem trabalhos lindos, que tem suas histórias, suas dificuldades, sua criatividade e seus anos de estrada.
Por isso decidi fazer vídeos apresentando estas pessoas para que conhecessem, soubessem a arte que fazem, se solidarizassem e participassem dessa corrente do bem que é quem faz arte com amor.

Se quiser ver os vídeos clique AQUI.
Aproveita e curte a fanpage. Sempre tem novidades do que ando aprontando...rs... e olha que vem maaaais novidades por aí!!!

E ano que vem, provavelmente estaremos por lá novamente.
Torcendo por melhoras organizacionais.
Vibrando com o sucesso das amigas que estão expondo.
Confraternizando com muito carinho junto a amigas, companheiras, parceiras sejam novas ou antigas.

Isso é a Mega Artesanal:
* Todos os anos é diferente.
* Independente das opiniões, reclamações, elogios, o importante é que veja por você e faça sua própria avaliação.
* Se nunca foi, vá.
* Se não foi este ano, vá ano que vem e pelo menos veja a Mega em sua nova estrutura.

Mas as regras são básicas para todos os anos. Roupas confortáveis (preferência tênis), tenha foco no que busca caso não vá outros dias e combine com suas amigas reais e virtuais. No final, tem que ser gostoso e uma oportunidade de encontrar pessoas. 
Com fila, sem fila, com muita ou pouca gente, vá consciente e com bom humor.
E divirta-se muiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiito!!!




Lallana Atelier

“Arte em decorar, harmonizar e iluminar!”













9 comentários:

  1. Muito legal Dani, como esse ano não fui novamente, acabei conhecendo várias artesãs através dos seus vídeos e agora sabendo mais sobre a Mega,
    Que esse iniciativa posssa contagiar outras artesãs e o ano que vem com certeza daremos um abraço, um beijo e um Xero na Mega.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Uhuuuu
      Contando com isso Ale. E não só para que nos encontremos na Mega, porém que haja outras oportunidades.
      Fico muito feliz que tenha curtido os vídeos, compreendido o objetivo diferenciado deste ano e ver como é grande o número de artesãs espalhadas por este Brasil. Que a cada uma que se conheça e estreite os laços faça parte desta corrente maravilhosa do bem para estarmos sempre unidas, pela profissão, pela ética, pelo respeito e também pelas adversidades que possa vir a ocorrer com alguma de nós e mostrar solidariedade.

      Excluir
    2. Grande bejuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuu

      Excluir
  2. rsrs... é mesmo sempre assim, a Mega é uma muvuca que a gente ama e odeia ao mesmo tempo! Mas que oportunidade maravilhosa para encontrar artesãos que admiramos, gostamos e conhecer as novidades!

    Fiquei curiosa para saber como é uma Mega neste novo pavilhão, parece interessante. E mais curiosa ainda para saber dos resultados dos seus testes. Adoro novidade!!!

    Obrigada por compartilhar com quem, como eu, não pode ir este ano!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eve acho interessante conhecer afinal, quem faz parte deste mundo seja em que artesanato for, a Mega é referência e com crise ou sem crise, acontecerá.
      Ano que vem certamente trarei novidades, afinal sempre estou inventando algo...rs... vamos ver qual será e como irei compartilhar.
      Ficarei muito feliz se lhe encontrar lá. Bora???
      Grande bj e obrigada pelo carinho.

      Excluir
  3. Daniela
    Ler seu texto foi ótimo pois percebi que NÃO ter ido à Mega esse ano foi a coisa mais certa que fiz.
    Há 3 anos visito a feira e infelizmente questões básicas de infraestrutura como são os banheiros não foram solucionadas. Sempre vou com meu marido e caso as leitoras não tenham ido com pessoas do sexo masculino , pasmem, mas há somente 2 (dois) banheiros masculinos. Os femininos, sem comentários... ano passado levei na bolsa uma reserva de papel higiênico e toalha pois já havia passado "perrengue" no ano anterior.
    Outro ponto que me fez decidir por não ir foi a diminuição dos expositores (fabricantes). Em 2013 haviam vários e através da feira esses fabricantes ganharam uma nova cliente (euzinha) e muitos outros. Ano passado, além do número de fabricantes ser reduzido, me senti em um grande bazar de Natal, com várias coisas prontas para comprar. Mesmo assim, ainda acho que a feira é boa para que pessoas de outras cidades adquiram material mas como estou em SP, vou até a loja e compro!
    A questão do Horlle que vc comentou... não estou saindo em defesa de nenhum expositor mas acredito que não tenha ocorrido má fé de todos os "vendedores" de papelão cinza na feira, pois a marca tornou-se o nome do produto, assim como Bom Bril e palha de aço, Cotonetes e bastonetes, Nescau e Toddy ao achocolatado e o Leite Moça ao leite condensado. hahahahahaha.
    Desejo que os organizadores da Mega possam repensar questões logísticas (como aquele labirinto prá entrar... vc se sente o Minotauro lá dentro), banheiros e tornar a feira atrativa aos fabricantes sejam pequenos, médios ou grandes! Minha vontade é conhecer gente nova, coisas novas e "confraternizar" com fabricantes!!! Que possamos comprar no dia, experimentar seus produtos (acho positivo os cursos da Mega que nos facilitam a isso). Sair da minha casa para gastar 100 reais entre entradas, estacionamento e alimentação para ver coisas prontas (que posso ver no Youtube) e ainda passar aperto prá fazer xixi, não vale a pena. Adorei sua postagem e já adianto que não é nada contra os expositores que, em sua maioria, levam lindas peças. Minha bronca é com a organização mesmo #desabafo. Bjos e continue postando!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ana

      Creio que todas as opiniões são válidas e como disse, vai da experiência de cada um.
      Acho bacana que quem não conhece veja por si mesmo até para poder formar sua própria opinião e realmente morar em SP é uma mão na roda, não é a toa que quero voltar para casa...rs...
      Quanto aos nomes utilizados.. concordo que as pessoas podem vir a utilizar os nomes mais conhecidos de uma marca, porém quando vamos comprar, se perguntamos em uma venda se tem Nescau o atendente entende que se trata de achocolatado e fala: não, tem toddy, ou outra marca. Se falamos tem Bombril no lugar de palha de aço, nos mostram uma embalagem com a marca estampada e podemos optar por comprar ou não. No caso do Horlle, fora as embalagens de A3 e A4 (se não me engano) que são devidamente etiquetadas, qualquer um pode falar que vende Horlle ao invés de papelão cinza de marca X porque não há identificação nas placas A1, até porque são vendidas individualmente e não em pacotes. Então neste caso se é divulgado como tal, o cliente não pode confirmar se é ou não é e neste sentido que não concordo que hajam desta forma, pois não nos permite escolher se queremos comprar o Horlle original ou de qualidade inferior. Mas é uma questão de ser minha opinião, não de eu estar certa ou não...rs...
      Estou torcendo com você para que sinceramente os organizadores repensem váaaarias coisas...rs...
      Obrigada pelo comentário e estou na torcida 200% positiva para um 2017 diferente!!!!

      E bora lá!!!

      Excluir
  4. Ameeeeei! Percepções muito semelhantes às minhas :) só que eu não fiz um post ainda!!! Vou compartilhar!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eee Marion
      Que bom que gostou. Claro que no momento de fazer uma postagens tentamos mostrar o relevante e de forma imparcial.
      Espero que tenha conseguido e principalmente, incentivado as pessoas a irem, conhecerem e tirarem suas conclusões, afinal o que é bom ou ruim para uns não é para todos.
      E querendo ou não a Mega é uma referencia em toda América Latina vide tantos artesãos e expositores estrangeiros que tivemos na feira.
      Quero ver seu post!!!!

      Grande bj

      Daniela

      Excluir